18 de abr de 2018

A CIDADE DO SOL - Khaled Hosseini

Editora: Nova Fronteira
Ano: 2007
Páginas: 364
ISBN: 9788520920107



Sinopse: Mariam tem 33 anos. Sua mãe morreu quando ela tinha 15 anos e Jalil, o homem que deveria ser seu pai, a deu em casamento a Rashid, um sapateiro de 45 anos. Ela sempre soube que seu destino era servir seu marido e dar-lhe muitos filhos. Mas as pessoas não controlam seus destinos. Laila tem 14 anos. É filha de um professor que sempre lhe diz: "Você pode ser tudo o que quiser." Ela vai à escola todos os dias, é considerada uma das melhores alunas do colégio e sempre soube que seu destino era muito maior do que casar e ter filhos. Mas as pessoas não controlam seus destinos. Confrontadas pela história, o que parecia impossível acontece: Mariam e Laila se encontram, absolutamente sós. E a partir desse momento, embora a história continue a decidir os destinos, uma outra história começa a ser contada, aquela que ensina que todos nós fazemos parte do "todo humano", somos iguais na diferença, com nossos pensamentos, sentimentos e mistérios.


Se fosse por mim, jamais leria esse livro. Não é o tipo de livro que costumo ler. Só li porque uma amiga emprestou-me e disse que era muito bom, apesar de triste.

A Cidade do Sol conta a história de duas mulheres que vivem no Afeganistão. A primeira é Mariam, que nasceu em Herat. É a filha bastarda de um homem muito rico e uma empregada. Vive de maneira humilde com sua mãe e espera ansiosa pelas visitas semanais de seu pai. Mariam ama muito seu pai, mas ele tem vergonha dela, não tem coragem de assumi-la diante da sociedade e de suas três esposas. A mãe de Mariam morre e ela é obrigada a casar com um homem mais velho e ir morar com ele em Cabul. No início, o marido é atencioso, mas logo muda seu comportamento, tornando-se muito agressivo. Que homem asqueroso!

Alguns anos depois, em uma casa próxima, nasce Laila. Uma menina muito amada pela família, que tinha tudo para ser feliz. Tudo muda com a chegada da guerra. Os dois irmãos de Laila vão lutar no conflito e a mãe entra em depressão. O pai perde o emprego, e Laila, não pode mais frequentar a escola.

As vidas de Mariam e Laila se cruzam de uma forma inesperada. As duas sofrem tanto que é impossível não torcer pela felicidade delas. Gostei muito de Tariq. O rapaz enfrenta muitas dificuldades na vida, mas não perde a esperança e não desiste de tentar ser feliz.

Com certeza é um livro que mexe com o leitor de várias formas: nos deixa com raiva, com pena, emocionados e revoltados. Através da ficção, o autor nos dá uma perspectiva de tudo o que o povo afegão sofreu com os conflitos e com a dominação do Talibã.

O mais chocante foi ver como as mulheres eram a ainda são tratadas naquela região. Elas são vistas como propriedade dos homens, não podem ter vontade própria e tem que ser submissas. Com a chegada do talibã, a situação piorou ainda mais. Elas não podiam nem andar na rua se não estivessem acompanhadas de seus maridos. Se isso acontecesse, eram espancadas. Eu sabia que ia ficar revoltada lendo esse livro, por isso não queria ler...

O livro todo é muito triste, então, se você quiser ler, prepare-se para chorar...

11 de abr de 2018

INDESEJADAS - Kristina Ohlsson

Série Fredrika Bergman – Volume 1
Editora: Vestígio
Ano: 2017
Páginas: 400
ISBN: 9788582863916


Sinopse: Uma garotinha desaparece de um trem com destino ao centro de Estocolmo. Em outra parte da Suécia, uma jovem vive oprimida pelo homem que um dia pensou ser seu príncipe encantado – e ela sabe melhor do que ninguém o motivo pelo qual a menina sumiu. A analista criminal Fredrika Bergman enfrenta dificuldades para ser aceita na equipe liderada pelo inspetor Alex Recht, que tem como braço direito o impetuoso investigador Peder Rydh. Fredrika, a única com formação acadêmica entre os policiais, trava uma difícil batalha para conduzir o caso por uma linha de investigação diferente daquela escolhida pelo restante da equipe. O caso ganha contornos dramáticos, e o que todos temiam não pode ser evitado. A equipe deve se apressar para chegar ao agressor antes que mais vidas sejam perdidas. Quanto tempo eles realmente terão até que o criminoso dê seu próximo passo?

"E as mulheres não mereciam os filhos porque, se não gostavam de todas as crianças, não deviam ter nenhuma." (p. 96)


Lilian, uma garotinha de seis anos some misteriosamente em um trem. Parece que uma série de coincidências conspirou para que isso acontecesse. A mãe saiu para telefonar, enquanto o trem fazia uma parada, e perdeu o trem. O funcionário que estava de olho na menina teve que afastar-se por alguns instantes para resolver uma confusão em outro vagão e, neste instante, a menina sumiu. Mas não foram meras coincidências. Tudo fazia parte de um plano: sequestrar Lilian.

Nossa heroína é a investigadora Fredrika, que sente o preconceito dos colegas policiais por ser mulher e por ter estudado mais que os outros. Parece que o livro quer mostrar bem esse aspecto do preconceito contra as mulheres. Já no início das investigações, percebemos que Fredrika é mais inteligente e perspicaz que os colegas. A analista criminal percebe detalhes que eles deixaram passar, mas fazem questão de ignorá-la.

Peder é colega de Fredrika. Além de ser um completo idiota, se acha o “fodão”. Trai a esposa deprimida (após dar a luz a gêmeos) com uma colega de trabalho e ainda acha que é o coitadinho da história. Alex é o chefe da equipe. Também é um pouco machista, mas não aprova o comportamento de Peder.

A equipe toda fica chocada quando a criança é encontrada morta e, logo depois, outra criança é sequestrada. No decorrer da investigação, quando passam a ouvir mais o que Fredrika tem a dizer, a equipe fica mais entrosada e a própria história fica mais interessante. As picuinhas iniciais entre os investigadores tornam a leitura chata e cansativa, fazendo com que o livro demore um pouco para "engrenar". O que o leitor quer é saber mais sobre o caso investigado e não sobre as disputas de ego entre os membros da equipe.

Tão importante quanto descobrir quem é o assassino é descobrir o porquê. A partir de uma frase dita pelo assassino, logo deduzi o motivo. Sobre a identidade do assassino, ao longo da narrativa, encontramos várias pistas e algumas nos enganam. Quando você pensa que desvendou o mistério, ocorre uma reviravolta. A autora conseguiu me enganar direitinho...

No final, o caso é resolvido, mas as questões pessoais dos detetives, não. Acredito que os próximos livros, além de trazer um novo caso, continuarão contando sobre a vida dos personagens. Ainda não decidi se lerei outros livros da série. Gostei da leitura, mas não achei tão empolgante, faltou um pouco de ritmo. Talvez o próximo livro melhore nesse aspecto.

4 de abr de 2018

O MEDO MAIS PROFUNDO - Harlan Coben

Série: Myron Bolitar #7
Editora: Arqueiro
Ano: 2016
Páginas: 272
ISBN: 9788580416145




Sinopse: Na época da faculdade, Myron Bolitar teve seu primeiro relacionamento sério, que terminou de forma dolorosa quando a namorada o trocou por seu maior adversário no basquete. Por isso, a última pessoa no mundo que Myron deseja rever é Emily Downing. Assim, ele tem uma grande surpresa quando, anos depois, ela aparece suplicando ajuda. Seu filho de 13 anos, Jeremy, está morrendo e precisa de um transplante de medula óssea – de um doador que sumiu sem deixar vestígios. E a revelação seguinte é ainda mais impactante: Myron é o pai do garoto. Aturdido com a notícia, Myron dá início a uma busca pelo doador. Encontrá-lo, contudo, significa desvendar um mistério sombrio que envolve uma família inescrupulosa, uma série de sequestros e um jornalista em desgraça. Nesse jogo de verdades dolorosas, Myron terá que descobrir uma forma de não perder o filho com quem sequer teve a chance de conviver.

Do que você seria capaz para salvar seu filho?

Emily, ex-namorada de Myron, ressurge do passado com duas notícias bombásticas: seu filho de 13 anos precisa de um transplante de medula óssea para não morrer e Myron é o pai do garoto.

Myron não tem muito tempo para digerir a notícia da paternidade, pois há um doador compatível, mas ele sumiu. Sentindo-se responsável pela vida do garoto, nosso herói reúne sua equipe para investigar. A equipe de Myron é formada pelos seus amigos, um deles é Win, uma figura e tanto.

Durante a investigação, muitos podres vêm à tona. Uma família poderosa quer impedir a revelação de um grande segredo. Este segredo pode estar relacionado ao sequestro de pessoas inocentes e ao sumiço do doador misterioso. Myron não vai descansar enquanto não descobrir toda a verdade.

Mais uma vez, Harlan Coben surpreende com reviravoltas incríveis nos capítulos finais. Quando você pensa que o mistério está solucionado, surge outra surpresa estarrecedora. Impossível prever! Recomendo a leitura.

P.S.: O livro alerta para a importância do cadastro de doadores de medula óssea. Um simples gesto pode salvar vidas.

28 de mar de 2018

FILME - O VENDEDOR DE SONHOS

Direção: Jayme Monjardim
Duração: 93 minutos
Ano: 2016
Classificação: 12 anos
Gênero: Drama

augusto cury


Sinopse: Júlio César (Dan Stulbach), um psicólogo decepcionado com a vida em geral, tenta o suicídio, mas é impedido de cometer o ato final por intermédio de um mendigo, o "Mestre" (César Troncoso). Uma amizade peculiar surge entre os dois e, logo, a dupla passa a tentar salvar pessoas ao apresentar um novo caminho para se viver. Adaptação do best-seller homônimo do psicoterapeuta e escritor Augusto Cury.

Baseado no famoso livro de autoajuda de Augusto Cury, O vendedor de sonhos é um filme brasileiro. Não li o livro, mas ouvi falar muito dele, por isso resolvi assistir ao filme.

A história começa com Júlio, um famoso psicólogo, na janela de um prédio querendo suicidar-se. Um mendigo entra no prédio e consegue convencê-lo a não se matar. O mendigo, chamado de “Mestre”, parece ser muito sábio apesar da simplicidade. Júlio passa a segui-lo, sem entender direito o porquê.

augusto cury

Juntos eles se envolvem em algumas confusões para ajudar outras pessoas. Através de cada acontecimento, o filme nos passa uma mensagem. Logo descobrimos que o “Mestre” também guarda segredos, e que aprendeu tudo o que sabe da forma mais difícil: cometendo erros e pagando um alto preço por isso.

augusto cury

Vi muitos comentários de pessoas que leram o livro, dizendo que o filme deixou a desejar e que o livro é infinitamente melhor. O filme não é nenhuma superprodução, mas vale pela mensagem que passa. Acho que é sempre bom lembrar às pessoas que o que realmente importa é aquilo que o dinheiro não pode comprar. 

21 de mar de 2018

ESTRANHEZA MORTAL - Nora Roberts

Série Mortal – Livro 26
Editora: Bertrand Brasil
Ano: 2017
Páginas: 448
ISBN: 9788528621556


nora roberts


Sinopse: A tecnologia pode ser diferente na Nova York do ano 2060, mas, como sempre, alguns assassinatos recebem mais atenção que outros – especialmente quando a vítima é um famoso empresário, morto em seu apartamento na Park Avenue, amarrado à cama e estrangulado por cordões de veludo preto. Apesar de todos na cidade falarem do assunto, as pessoas ligadas a Anders não parecem tão dispostas a fazer o mesmo. A tenente Eve Dallas, então, se vê batendo em muitas portas e forçando passagem por elas em sua busca por respostas. Os fatos, entretanto, não se encaixam. Será essa uma morte provocada por uma sessão de jogos sexuais que resultou em um crime passional – ou terá sido na verdade uma execução muito bem planejada? Cabe a Eve Dallas resolver este caso, em que a estranheza permeia todas as circunstâncias e ligações surpreendentes podem surgir de formas inesperadas... e mortais.


Após ler o 26º livro, me pergunto quando essa série vai terminar. Será que vai terminar no 30º livro? Acho que a autora já esgotou as possibilidades de assassinatos mirabolantes, não tem mais o que inventar.

Diferente de alguns livros anteriores, neste, a tenente Eve Dallas investiga apenas um assassinato. É um caso complexo porque envolve um homem muito rico. Todos admiravam o Sr. Anders. Os primeiros suspeitos são os herdeiros: a esposa e o sobrinho. A esposa é elogiada por ser dedicada às obras de caridade. O sobrinho é considerado um sujeito muito legal. A empregada da casa é muito eficiente e dedicada aos patrões. Os amigos só falam bem do casal. À primeira vista, não há suspeitos, mas Eve segue sua intuição e começa a cavar mais fundo.

Diferente de outros suspenses policiais, o mistério da trama não está na identidade do responsável pelo crime, mas sim na forma como o assassinato foi planejado e executado.

Este é um suspense mais fraco, com um final previsível, sem reviravoltas. Destaque para Louise e Charles, que aparecem na história. Quanto ao resto, é mais do mesmo. Se a série continuar nesse ritmo, acho que está na hora de encerrá-la. Tenho a impressão de que a qualidade e a criatividade estão decaindo. De qualquer forma, vou continuar lendo a série, porque sou viciada nela...

14 de mar de 2018

GAROTA DESAPARECIDA - Sophie McKenzie

Editora: Verus
Ano: 2016
Páginas: 238
ISBN: 9788576864172

sophie mckenzie

Sinopse: Lauren mora na Inglaterra e sempre soube que é adotada. Mas, quando uma breve pesquisa sobre o seu passado revela a possibilidade de ela ter sido roubada de uma família americana ainda bebê, a vida de Lauren de repente parece uma fraude. O que ela pode fazer para tentar encontrar os pais biológicos? E seus pais adotivos terão sido os responsáveis por sequestrá-la? Lauren convence sua família a fazer uma viagem para o outro lado do Atlântico e, lá chegando, foge para tentar descobrir a verdade. Mas as circunstâncias de seu desaparecimento são sombrias, e os sequestradores de Lauren ainda estão à solta — e dispostos a qualquer coisa para mantê-la calada.

O livro é narrado por Lauren, uma garota de 14 anos, que foi adotada aos três anos de idade. Sempre soube que era adotada, mas nunca soube nada sobre sua origem e agora, está sentindo-se meio perdida.

“Quem sou eu?
Apoiei a cabeça nas mãos.
Como alguém pode definir quem é se não sabe de onde veio?
Eu não tenho a menor ideia de onde eu vim.
Fui adotada quando tinha três anos.” (Pág. 10)

Por causa de uma redação da escola, com o tema “Quem sou eu?”, Lauren entra em um site de crianças desaparecidas e descobre a foto de uma menina que poderia ser ela. Depois de ver a foto, Lauren fica cada vez mais intrigada com sua origem. Porque seus pais não querem falar sobre o assunto da adoção? Achando que pode ter sido sequestrada quando era bebê, a garota bola um plano de fuga para investigar seu passado e procurar seus pais biológicos.

O problema é que ela mora na Inglaterra e a garota desaparecida morava nos Estados Unidos. Lauren aproveita uma viagem de férias em família aos Estados Unidos para fugir. Leva consigo seu melhor amigo Jam, de 15 anos. A dupla não imagina o perigo que vai correr por causa dessa investigação.

Os dois conseguem fazer coisas bem mirabolantes para a idade que tem: como viajar de avião sem ninguém questionar. Achei algumas partes um pouco fantasiosas.

A protagonista é bem infantil e chatinha. Antes de fugir, Lauren poderia ter confrontado os pais adotivos sobre suas suspeitas. Mas não, ela fica com raiva dos pais e resolve fugir para dar uma de Sherlock Holmes.

Jam é um cara muito legal. Parece maduro para a idade. Faz tudo por Lauren, que é tão egoísta que não percebe que o melhor amigo está apaixonado por ela.

Apesar de ser protagonizado por adolescentes, o livro pode ser lido por adultos. Mas não espere nenhum grande suspense. A trama é leve e fraquinha. Tem sua dose de suspense e ação, mas também tem dramas do universo adolescente, como irmãos, família, namorado, entre outros. É um livro fácil e rápido de ler.

7 de mar de 2018

BONECO DE PANO - Daniel Cole

Editora: Arqueiro
Ano: 2017
Páginas: 336
ISBN: 9788580417036

daniel cole

Sinopse: O polêmico detetive William Fawkes, conhecido como Wolf, acaba de voltar à ativa depois de meses em tratamento psicológico por conta de uma tentativa de agressão. Ansioso por um caso importante, ele acredita que está diante da grande chance de sua carreira quando Emily Baxter, sua amiga e ex-parceira de trabalho, pede a sua ajuda na investigação de um assassinato. O cadáver é composto por partes do corpo de seis pessoas, costuradas de forma a imitar um boneco de pano. Enquanto Wolf tenta identificar as vítimas, sua ex-mulher, a repórter Andrea Hall, recebe de uma fonte anônima fotografias da cena do crime, além de uma lista com o nome de seis pessoas – e as datas em que o assassino pretende matar cada uma delas para montar o próximo boneco. O último nome na lista é o de Wolf. Agora, para salvar a vida do amigo, Emily precisa lutar contra o tempo para descobrir o que conecta as vítimas antes que o criminoso ataque novamente. Ao mesmo tempo, a sentença de morte com data marcada desperta as memórias mais sombrias de Wolf, e o detetive teme que os assassinatos tenham mais a ver com ele – e com seu passado – do que qualquer um possa imaginar.

“Você está na lista de um assassino. E ela diz quando você vai morrer.”

Estava com vontade de ler esse livro há algum tempo. Apesar de ser o primeiro livro do autor, o título e a sinopse chamaram minha atenção.

O caso começa quando a polícia encontra um corpo montado com partes de seis vítimas, esse corpo é chamado pela mídia de "boneco de pano". O primeiro passo é descobrir a identidade das vítimas para depois descobrir qual a relação entre elas e qual o objetivo do assassino com tudo isso.

O detetive Wolf logo reconhece o rosto do "boneco de pano". É um assassino em série, conhecido como o "Cremador", porque queimava suas vítimas. Wolf trabalhou no caso do assassino há quatro anos. O Cremador estava cumprindo pena em uma unidade de segurança máxima. Como foi morto? O detetive percebe que os assassinatos dessas seis pessoas estão ligados ao caso do Cremador e a ele também.

O serial killer envia para Andrea, repórter de TV e ex-mulher de Wolf, uma lista das próximas vítimas com a data e o horário das mortes. A polícia luta contra o tempo para localizar as pessoas da lista e protegê-las. Mas o assassino, também chamado de "Bonequeiro", é muito esperto e consegue matar as pessoas das formas mais mirabolantes, bem debaixo do nariz da polícia. Wolf também está na mira do assassino, pois seu nome é o último da lista.

Wolf é um anti-herói, um protagonista cheio de defeitos. É corajoso e quer fazer a coisa certa. Mas, em várias situações, perde o controle e faz bobagens.

Em alguns capítulos acompanhamos acontecimentos do passado conturbado de Wolf. Surgem as questões: Qual a relação do passado do detetive com os assassinatos? Como o assassino consegue encontrar as vítimas, apesar da proteção da polícia? Por que o Bonequeiro está fazendo tudo isso?

Esse é um daqueles livros que você devora rapidamente porque quer descobrir a verdade. Não consegui solucionar o mistério. Durante a leitura, desconfiei de todos, mas não deduzi o que realmente aconteceu. O mistério é explicado no final. Talvez o autor pudesse ter desenvolvido um pouco mais o desfecho, pois gostaria de saber o que acontece depois (sempre quero saber mais!). A leitura flui com facilidade, sem enrolações. A diagramação está ótima. Gostei do livro e indico para todos que adoram um bom suspense policial.